27.7.07

Homens notáveis III - Hunter S. Thompson

Não tivesse estourado os próprios miolos, teria completado 70 anos na semana passada.

Apaixonado por esportes, drogas e política, foi colunista e repórter da Rolling Stone Magazine. A revista foi a primeira a publicar seus textos jornalísticos, que entraram pra história da profissão sob a denominação Gonzo.

Hunter S. Thompson levou o new jornalism de Tom Wolf e Gay Talese a extremos até então impensáveis. Imparcialidade my ass! No jornalismo gonzo o repórter toma partido, além de todas drogas possíveis. Aliás, o repórter é a verdadeira razão de ser da reportagem.

Antes de publicar o livro que o tornaria conhecido, Hunter Thompson perambulou como repórter por grande parte dos Estados Unidos. Também trabalhou em San Juan, Porto Rico, e até no Rio de Janeiro (no Brazil Herald, um jornal diário publicado em língua inglesa no início da década de 1960). Rodou e conviveu com os Hell's Angels por tempo suficiente pra escrever um livro sobre a famigerada gangue de motoqueiros (e ser espancado por eles quando desconfiaram que iria lucrar com a publicação da história).

Mas foi em 1971 que apareceram, nas páginas da Rolling Stone, os capítulos de sua obra mais famosa. Fear and Lothing in Las Vegas relata a viagem do jornalista Raoul Duke, alter-ego de Thompson, até Las Vegas para a cobertura de um rally de motos. Na companhia de seu advogado e de todas as drogas que se possa imaginar (levadas numa valise), Raoul Duke penetra a fundo no tal do Sonho Americano e acaba por destruí-lo completamente. Nada escapa do olhar pessimista e desencantado do insano jornalista gonzo. Nem mesmo a contracultura e o flower power dos anos 60. Raoul Duke/Hunter Thompson enxergam a sordidez humana mesmo onde ela está mais escondida.

Fear and Lothing in Las Vegas foi adaptado para o cinema pelo ex-Monty Python Terry Gillian. Johnny Depp, amigo de Thompson, fez o papel de Raoul Duke. O livro foi lançado no Brasil com o título Las Vegas na Cabeça, mas estava há muitos anos fora de catálogo. Medo e Delírio em Las Vegas chega novamente às livrarias com tradução de Daniel Pellizzari, o Mojo. Lançamento da editora Conrad que já publicou outros títulos do autor.

Hunter Thompson se candidatou à xerife no condado de Pitkin, no Colorado, publicou reportagens sobre política na Rolling Stone durante muitos anos (ele acreditava que Richard Nixon era a encarnação do mal), foi cronista esportivo da ESPN e acabou tirando a própria vida em fevereiro de 2005. Johnny Depp pagou a conta do funeral. Segundo o ilustrador Ralph Steadman, amigo e colaborador, Hunter Thompson jamais poderia suportar o tédio. Destruir o Sonho Americano tem seu preço.

Marcadores: ,

2 Comments:

Anonymous Daniela said...

Olá, depois de meses sem dar as caras retorno e encontro esse post sobre um cara que realmente vale a pena falar. Eu acho muito bacana as histórias que rolam entorno dessa figura. O velório freak dele foi algo, J Depp de mestre de cerimônias. O filmesobre o alter ego, mas mesmo achando o cara do CARALEO eu ainda não li nenhum dos seus livros, só trechos... :( Agora seu post me deu um ânimo, vou correndo buscar na biblioteca mais próxima algum livro dele pra ler...

beijos :}

11:36 PM  
Anonymous Daniella said...

Olá!!!
Achei demais a matéria sobre o Hunter Thompson no radar...
eu tava na pulp sábado, eu até falei contigo e te disse que acho muito bons os teus textos, aqueles sobre o Garagem são muito legais, pois da maneira que tu escreveu a gente pode "ver" as situações.
:)

11:02 PM  

Postar um comentário

<< Home